Pular para o conteúdo principal

O que está por trás da censura no Facebook e no Youtube?


Você já deve ter visto diversas pessoas falarem sobre o tema. Estão perdendo relevância, seus conteúdos não chegam para inscritos ou contatos nas redes sociais.

E isso é verdade. Nesse artigo você vai entender como funciona essa sistemática.

A eleição de Donald Trump como Presidente dos Estados Unidos iniciou uma mudança nos algoritmos dessas redes, assim como um controle de palavras-chave e relevância. Pessoas que se tornaram engajadas em temáticas polêmicas sofrem com o chamado Shadowban.
·      O que é Shadowban?

Em bom português, o shadowban é o banimento para as sombras, isso é, estão escondendo pessoas e canais em redes sociais.

Os “escondidos” não são preferência em buscas espontâneas, tais como os “vídeos mais assistidos”, diminuindo a atração de novos seguidores, assim como a cada publicação aparecem para uma parcela cada vez mais restrita de seus seguidores ou inscritos.

No caso de um perfil pessoal, uma parcela ínfima de suas conexões recebe suas atualizações.

·         O que são temas polêmicos dignos desse tipo de censura?

Aqui está uma chave muito importante para compreender esse conceito.

No período eleitoral brasileiro, o Facebook e o Youtube se tornaram verdadeiros campo de batalha entre pessoas ligadas ou à esquerda ou à direita, assim como previamente aconteceu na eleição americana.

Campos de batalha geram estresse nos usuários. E a tentativa dessas redes é diminuir o estresse entre os usuários.

·         Análise da demanda:

Vamos olhar a questão de estresse de maneira mais técnica.

DEMANDA: FACEBOOK (últimos 5 anos)
A queda de relevância do Facebook está sendo constante, o que demonstra que a rede social está perdendo usuários de forma bastante relevante.



DEMANDA: YOUTUBE (últimos 5 anos)
Mais uma plataforma que perdeu demanda, principalmente a partir de 2016.




IMPORTANTE: quando se fala em demanda, se fala em usuários pesquisando online sobre a plataforma. Obviamente, os aplicativos dão acesso direto à plataforma, o que foge das pesquisas de demanda. Mas olhe o caso brasileiro: temos milhões de usuários do youtube, mas outros milhões que não acessam a plataforma. E esses usuários que não acessavam o Youtube estão cada vez menos interessados em conhecê-la. O CRESCIMENTO DAS HORAS DE VÍDEO CONSUMIDAS SE DEVE AOS ATUAIS USUÁRIOS.

Para demonstrar que o interesse é sim relativo à demanda online, analise a demanda do Instagram nos últimos 5 anos:

DEMANDA: INSTAGRAM (últimos 5 anos)
O Instagram, rede social de propriedade do Facebook, está em amplo crescimento.






Vamos aprofundar a análise da questão do Shadowban:

·         O Estresse inibe a demanda de redes sociais?

Fazer parte de uma rede social envolve o desejo de se conectar, de fazer parte de algo.

O Facebook, com sua política de shadowban, está agrupando pessoas em bolhas sociais e as retirando da interação com outras pessoas que apoiem ideias divergentes das suas.

Exemplificando, se você apoiava o candidato Bolsonaro nas redes, você passou a ser menos presente na timeline de pessoas que apoiavam o movimento Ele Não.

Assim diminuem as interações entre pessoas que, apesar de conectadas, possuem posicionamentos divergentes e potencialmente podem se envolver em discussões e situações de estresse.

Quantos casos você conhece de pessoas que deixaram de utilizar o Facebook nas eleições e depois delas? O próprio Youtube busca direcionar conteúdos dentro de bolhas seguras, onde você, usuário, será apresentado à conteúdos mais “confortáveis” para você.

Independente dos temas mais relevantes, mais discutidos.

Olhe o Instagram: basicamente uma rede de registro de momentos felizes. Poucas palavras, a não ser frases motivacionais. É difícil vermos conflitos no Instagram, trata-se de uma rede de consumo de felicidade artificial.

E o Shadowban inibe o crescimento de usuários “polêmicos”.

Estamos diante de uma intervenção. E a única justificativa é a diminuição do estresse nas redes.

·      ESTRESSE NÃO VENDE

Pessoas mais estressadas e influenciadas pelo cortisol, hormônio que age no cérebro e dita o comportamento típico de “lute ou fuja”, tem inibido o interesse em compra de produtos ou serviços. Seu cérebro está em modo de alerta, o que é péssimo para os negócios.

A fonte de renda principal das redes são seus anunciantes. E a conversão entre visualizações de anúncios e compras diminui drasticamente em pessoas estressadas.

Portanto, temos aqui a única análise possível para o fenômeno de relevância em redes: pessoas ou canais que causam estresse estão sendo tolhidos de seu alcance.  

·      Análise

Vivemos hoje um duopólio de controle das redes sociais que aglutinam a ampla maioria dos usuários mundiais: Facebook e Google.

O foco dessas companhias é o lucro. E a liberdade das pessoas em sua interação é um mau negócio. O que está sendo feito com essa política de relevância é diminuir o estresse dos usuários das redes, tornando sua experiência mais tranquila e mais rentável.

Porém, essa manipulação dos usuários, de forma a tornar os mais bovinos mais relevantes e silenciar em suas bolhas aqueles que instigam reflexões ou discussões, dita também que tipo de conteúdo as pessoas podem receber e, consequentemente, sua capacidade crítica.

As pessoas leem cada vez menos e consomem cada vez mais conteúdos digitais.

Esse processo de “aprendizagem” e socialização virtual está sendo tolhido por empresas duopolistas.

Em nome da satisfação e diminuição do estresse.

Em nome do adestramento dos seus clientes.
Aulas de negócios meu caro leitor.


ALEX KUNRATH, CONSULTOR SÊNIOR DA IDATI










MATERIAIS DE EDUCAÇÃO EXECUTIVA:

 idati educação empresarial

Postagens mais visitadas deste blog

Não existem atalhos para o Gestor

Está cada vez mais comum e crescente a busca por soluções mágicas para os negócios. E isso está mais relacionado com a incapacidade pessoal dos gestores e empreendedores que com a validade de formalismos.
Qual a grande evolução gerencial das últimas décadas?  Pessoas são um desafio constante, a execução de estratégias, formar um ambiente inovador na sua empresa, redesenhar e agilizar processos, satisfazer e captar clientes cada vez mais exigentes. Isso não é novidade.  

A novidade é que existe um verdadeiro deserto de ideias realmente inovadoras e que se enquadrem nos moldes de cada organização.

Cada empresa é única. Pessoas são únicas. Estratégias são altamente complexas se configuradas envolvendo diversas áreas e especificidades.  
Isso cria uma fórmula de sucesso. Foco, interação entre áreas, pessoas altamente engajadas com o futuro organizacional.  Mas essa estrutura de inovação constante é rara devido à alta complexidade de alinhamento.

Buscar alinhar a organização como uma…

O que é Marketing Omnichannel?

Estamos diante de um conceito da moda. Omnichannel ou em bom português onicanal. É importante a abertura do termo, já que o prefixo ONI exprime a noção de “todos”, facilitando a compreensão de que o Marketing Onicanal nada mais é que a utilização de todos os canais de interação com clientes e pessoas em geral.
De que se tratam “todos os canais”? A união entre estratégias e ferramentas online e offline.
Um rápido vídeo explicativo sobre o assunto:

Vivemos em uma sociedade conectada. Já não é possível, ou desejável, que uma organização utilize apenas estratégias offline para se comunicar com o público. Imagine que você utiliza panfletos para divulgar seu trabalho. No panfleto é desejável que existe um meio de digital de apresentação da sua proposta, seja um site, uma página em redes sociais ou mesmo um vídeo explicativo.
Grandes empresas varejistas também estão trabalhando de forma integrada suas lojas virtuais e físicas, buscando que os clientes tenham uma experiência mais envolvente …

COMO ELABORAR UM FUNIL DE VENDAS EXTERNAS?

Dentro da gestão comercial, o controle de funis de vendas é uma etapa fundamental de aferição dos resultados da equipe e previsão de resultados.
No que tange vendas online, temos diversas ferramentas disponíveis. A visão de etapas é simples:
- Atração de um público-alvo (leads) - Interagir via conteúdos e soluções direcionadas para esse público - Oferecer uma solução direcionada - Controle de entradas - Controle de desistências - Remarketing ou Interações diretas para tratamento de objeções - Efetivação da Venda ou Volta para a etapa de Interação
E presencialmente em vendas externas?
Se no ambiente online temos o controle dos passos dos usuários, nas vendas externas nos deparamos com o trabalho do vendedor. E esse pode ou não estar nos fornecendo subsídios para analisar o funil de vendas.
Onde está a chave? No relatório de visitas.
A ampla maioria dos gestores exige relatórios de visitas. Mas esses relatórios comumente não apresentam informações realmente valiosas acerca clientes e s…

Estratégias de Vendas na área da Saúde em 7 passos

Um desafio latente dos profissionais da área da saúde é vender os serviços prestados. Os conselhos impõe diversas restrições aos mecanismos tradicionais de estratégias comerciais, o que torna ainda mais complexa a tarefa de destacar clínicas ou mesmo consultórios no mercado.
O caminho da venda para esses profissionais, sejam profissionais liberais ou mesmo gestores contratados, é indireto.
Você não pode utilizar preços e promoções como ferramentas de divulgação. Sua comunicação basicamente será institucional, o que não permite uma conversão mais agressiva de vendas.
Então, quais os caminhos para se estabelecer nesse mercado?
Primeiro passo: se posicione
Escolha um nicho de mercado onde vai atuar e para o qual você terá o foco de conversão de resultados mais sólido.
Nenhuma empresa possui soluções para todas as pessoas. E isso inclui clínicas e consultórios. 
Portanto, você deve definir seu público-alvo: qual a faixa etária, qual a renda, qual o perfil desses clientes. Que soluções você…

Gerencie melhor seu tempo e venda mais!

As vendas externas possuem uma peculiaridade: os vendedores que aprenderam a gerenciar seu tempo ganham muito mais que os demais. Quando vislumbramos essa realidade, os mais jovens costumam relacionar esse rendimento superior a “um maior tempo de casa” e a “um relacionamento consolidado” deste vendedor sênior junto a seus grandes clientes. Estamos diante de uma meia verdade. Para consolidar a teoria do “tempo de casa” precisamos considerar que o vendedor sênior passou muitas horas em salas de espera, repetiu incontáveis visitas a inúmeros clientes até que, por seleção natural, estes se tornaram excelentes clientes. Se você conhece um vendedor que conta essa história de sua trajetória, saiba que está diante de um profissional obstinado, porém não necessariamente virtuoso.
Eu pessoalmente gosto de uma segunda análise: o motivo para que este vendedor sênior ganhe mais é que ele aprendeu o valor do seu tempo.
Vamos analisar o caso inverso, do vendedor inexperiente: Quantas horas ele desp…

OS NOVOS HORIZONTES DO COMÉRCIO COM BIG DATA

A utilização do Big Data é uma forma abrangente e inteligente de pensar no tratamento de dados para abordagem comercial. E as aplicações desses conceitos têm se mostrado especialmente úteis com resultados para empresas varejistas, sejam elas físicas ou virtuais.
Na era digital em que estamos vivendo, praticamente quase todas as ações tomadas pelo consumidor principalmente no ambiente da internet em relação a um site ou pesquisas  de produtos deixam rastros (clickstream )— e isto não se restringe somente ao  varejo online ou e-commerce.
Essas informações estão disponíveis para estruturação e consequente utilização com fins comerciais, no caso do varejo, para aumentar vendas, ticket médio, aquisição e retenção de clientes.
Para exemplificar de forma  simples e familiar para a maioria das pessoas de como o Big Data já é usado em larga escala pelo varejo veja esta situação: Você pesquisa por um determinado produto em um e-commerce, verifica opções, compara preços e, por fim, deixa o site.